Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Velhos

Quinta-feira, 01.07.10

 

 

Os dias passam a correr,

a vida passa a correr,

os sonhos morrem ao nascer...

encostado na berma do passeio,

o velho fala sem saber o que diz,

o velho ri sem se sentir feliz,

o velho não quer saber de asseio...

olho para ele  mais uma vez

pobre e abandonado

deve se sentir resignado

talvez desabafe com o vinho

(seu único e fiel vizinho)

enquanto não lhe bate o destino

 

Assim podera eu ser

cantor do amor, da mulher,

canções que ninguém quer escutar

letras que ousei inventar

e que na berma da estrada irei cantarolar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por Alexandrino Sousa às 22:39


2 comentários

De magnolia a 01.07.2010 às 23:45

Pareces triste Alex....a poesia é linda, mas triste.....estás bem?

Um beijinho grande

De Alexandrino Sousa a 11.07.2010 às 23:41


Amiga Claudia,

como vais?
Está tudo bem por aqui. Muito cansado pelo trabalho, mas mais nada. O que quis dizer, terá a ver com alguma imagem retirada da rua e o medo da solidão quando um dia formos velhos. Penso que toda a gente tem este medo. desculpa Claudia não vos visitar, mas tem sido muito trabalho e brevemente vai melhorar.

Obrigada pelo carinho

Beijinhos
Alex

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.