Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



AUTO RETRATO

Quinta-feira, 03.01.08

                                                                                                                                 

                                 

Auto retrato

 

 

Olho para o espelho

E o que vejo ??

“mil anos” passaram

e te curvaram...

os cabelos rareando,

as rugas te marcando...

Mas teu olhar...

Sim, teu olhar permanece

Calmo, doce, azul...

E se teu corpo padece,

Teu coração continua “fool” !

 

Amas, há como tu amas

Loucamente...

Te entregas quantas vezes

Precocemente...

 

Olho para o espelho

E o que vejo ??

 

Não sei se tenha pena

Ou se siga em frente...

Se com minha mão

Rude, carente,

Qual golpe fulminante

Em mil cacos te transforme...

 

Espelho meu, espelho meu,

Para quem sorri, e te fiz “falante”,

Qual acto de magia

Me “deforma”,

Se possível me molda

Á imagem que guardo dentro de mim...

Imagem sem tempo,

Imagem sem fim....

                         

                                                                                                                                                                   

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alexandrino Sousa às 22:22

BRINCAR COM PALAVRAS...........

Quinta-feira, 03.01.08

Quería ter o dom dos POETAS,

quería em meia dúzia de palavras, escrever que por vezes não conseguimos dizer, quería poder tocar, abraçar, sendo que as letras, uma a uma, colocadas no sítio certo, com a rima que lhe queremos dar, o faríam por mim...

 

Mas não tenho esse dom, e brincando com as palavras, escrevo o que sinto, ainda que possa ser acusado de tonto........

 

 

CONFIDÊNCIAS

   

Sento-me ao piano

(piano de fantasia)

e componho a “música”

que te dedicaria...

 

Tecla a tecla, sem engano,

Com docura  ou energia,

Sai letra a letra,

Componho uma canção,

Faço de Ti a “melodia”

 

Tu és canção de Amor,

Tu és um Hino, fervor,

Tu és loucura, quantas vezes ...Dor...

 

Tecla a tecla sem engano,

Continuo soltando

As letras que vou cantando,

Continuo procurando

Tocar,

O que nunca te consegui falar...

 

Tecla a tecla sem engano,

(teclas de imaginação),

te escrevo,

queria te contar,

precisava te falar,

abrir meu coração....

 

FLÔR

 

 

 

No meu “jardim”,

Esse canto só meu

E onde ninguém entra,

Nasceu uma “Flôr”.

Flôr linda, ainda em botão,

Que eu cuido com carinho, com Amor.

 

Dia a dia te admiro,

Dia a dia te vejo crescer.

 

“vento”, que corres frio, agreste,

não lhe toques...deixa-a viver.

 

“Sol”, que tens o dom da vida, da esperança,

ternamente a beija,

dá-lhe côr, pujança.

 

Flôr do meu jardim,

Flôr que não plantei,

Pétalas que nunca arrancarei

E tão pouco cortarei.

 

Flôr que és Vida

E cresceste no meu jardim,

Tu me pertences...

Já fazes parte de mim!

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alexandrino Sousa às 21:14