Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



outono...

Domingo, 17.11.13

 

 

manhã de Outono,

fria e cinzenta,

sem chama,

sem história. atenta

a primavera da vida,

escutando os sinais

no pio dos pardais,

mensagens de quem ama...

 

as manhãs de Outono

não são sempre iguais...

quem ousa escutar o vento,

ler nos sinais do tempo

os desabafos da alma,

os gritos contidos de um corpo sedento?

 

sabes, ainda ouço o silêncio

das quatro paredes,

o murmúrio das vozes

por entre os lençóis,

o gemer dos corpos

no ímpeto do prazer a dois...

 

finjo tudo esquecer

na manhã fria de Outono.

tanto mar, tanto mar, tanto caminhar

pelas areias limpas, em que me abandono...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alexandrino Sousa às 19:54


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.