Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



outra face da história...

Domingo, 22.12.13

 

 

 

como noutros tempos,

tempos que chamaram de  Natal,

abeirou-se de um barraco,

apenas palha e madeira seca,

e com a manta que trazia,

fez um leito, ainda que parecesse mal,

e no canto uma chama, que a aquecia.

 

passavam as pessoas,

espreitavam e murmuravam

"quem seria a desconhecida"??

e ela mantinha-se só, apenas só,

aguardando seu tempo,

um tempo fora do tempo,

porque o tempo, de ninguém tem dó...

 

chegaram as horas da libertação,

da dor, do sufoco,

do desconhecido e da imaginação,

até que gemidos se ouviram,

gritos de criança, tamanha aflição,

que as pessoas ouviram e seguiram

até o interior do barracão...

 

benzeram-se, choraram...

aquela história, sim, era igual à outra,

uma outra que lhes contaram

quando meninas, ainda sem pecado,

e o menino que nascia, podia nem ter pai,

um pai imaculado,

mas um qualquer, sem trabalho, ou do acaso...

 

chamaram o padre da aldeia,

a fanfarra, a bicharada que por ali andava,

e foi tão grande a algazarra

que até o menino sorria...

trouxeram migas de vinho, canja de frango,

o menino provava, o menino comia,

e por ali ficaram, noite após noite, dia após dia...

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alexandrino Sousa às 16:17


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.