Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Bom Domingo...

Domingo, 06.10.13

 

 

 

e é neste céu azul,

que voo qual borboleta

ao sabor da brisa,

sem destino,

mas com pensamento preciso,

"a vida, se vivida, tem sentido"...





 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alexandrino Sousa às 12:09

como uma árvore...

Sábado, 14.09.13

 

 

 

queria ser como a árvore de grande porte

que cresce, cresce, e lá do alto tudo vê...

aposto até que consegue ver os anjos no céu,

os caminhos da felicidade,

os trilhos que o destino nos ofereceu.

 

nas suas raízes, longas e fortes,

a sabedoria dos tempos,

a paciência que não se esgota

e se reforça nos contratempos...

 

braço a braço vou subindo, escalando

cada tronco da árvore...

um dia também serei copa, tocando,

beijando o céu...velarei por teu mundo...

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alexandrino Sousa às 22:12

de volta ao paraíso...

Segunda-feira, 20.05.13

 

 

sabes, contaram-me um dia

que no firmamento,

bem dentro do céu,

havia anjos,

anjos como tu e eu...

 

e no céu, os anjos voavam,

saltitando, cantavam,

estavam no paraíso,

e as flores eram sempre belas,

e as aves faziam ninho nas estrelas.

 

por vezes passeavam-se o sol e a lua,

abraçados, ou de mão na mão,

e a terra ficava escura

quando o sol sobre a lua,

davam asas à paixão...



 

um dia, se me deres asas,

também quero voar ao céu,

e meu rosto sobre teu colo

vai adormecer,

porque teu sonho é igual ao meu...




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alexandrino Sousa às 21:44

estrelas no céu....

Segunda-feira, 22.04.13

 

 

 

Quis fechar as janelas,

e aí, deixava de ver as estrelas...

quanta loucura...

despi-me, deitei-me na noite escura

sobre a relva fria que nem senti,

e adormeci,

ao fazer amor com elas...




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alexandrino Sousa às 21:44

tons de abril....

Sábado, 20.04.13

 

 

 

 

os fins de tarde trazem a nostalgia,

os tons laranja, ou amarelo ocre,

pelo sol que segue para outras paragens...

gravado no olhar, no pensamento,

o azul do céu na manhã,

e o verde do mar imenso e calmo...

e é com estes tons que fecho os olhos

e aguardo um novo amanhecer...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por Alexandrino Sousa às 19:52

Manhã de sábado...

Sábado, 14.07.12

 

 

Veste-se o céu de nuvens

que rápido passam...

Aqui e ali, raios de sol,

esperança de vida

numa manhã tão sem graça,

animada pela voz sussurrante,

por entre montanhas perdida,

pelo lado do mar encontrada...

E relembro as manhãs de inverno,

manhãs frias, devorando estrada,

ansiando, suplicando pela primavera,

não a primavera do tempo,

não a primavera da vida passada,

mas a primavera que é teu corpo,

florindo, de desejos asseada...

Ai meu amor de algum dia,

amor sereno, de sonho e alquimia,

um dia serás verão, após a madrugada...

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alexandrino Sousa às 12:21

Até ao Céu....

Sexta-feira, 28.10.11

 

 

Como a árvore que cresce,

assim queria ser eu,

ramos subindo, subindo,

quase tocando o céu,

e quando bem lá em cima chegasse,

talvez me debruçasse,

te pegasse com carinho,

e qual pássaro gigante,

num ramo faria um ninho,

onde para sempre habitasses...

Aí, oh felicidade eterna,

oh alegria incontida,

e até os anjos viajantes,

nos fariam companhia,

com as almas ainda errantes!

Não, não me queiras mal,

não queiras fugir de mim...

Qual alma sem dono,

qual flor sem jardim,

assim errante, seria meu caminhar,

(se o vento te levasse)

e quão triste seria meu fim...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alexandrino Sousa às 22:15

ESTRELAS CINTILANTES

Segunda-feira, 15.06.09

 

 

 

 

https://1.bp.blogspot.com/_dV2Sruy7liQ/SGk-6UpPqZI/AAAAAAAAADE/kF9a6b5eckE/s400/estrelas.jpg

 

Olho para o imenso céu,

e conto as estrelas,

em cada cintilante,

naquela mais brilhante,

és tu no meio delas.

 

Estendo minha mão,

esta mão que é só tua,

e numa perfeita união

vens até mim, só nua,

em alegre condição.

 

Meu Amor, meu amor,

nós somos as estrelas

e ao passar, se acendem as velas,

como se fosse um vale de dor,

como se não existisse Amor...

 

Olho do  reino do céu,

e do alto das estrelas,

mil luzes cintilando...

São os casais namorando,

se apagaram as velas...

 

E tudo parece renascer...

O Amor cresceu, vingou,

Não mais velas ou sofrer

nos corações de quem amou,

porque Amar é viver...

 

Meu Amor, meu amor,

nós somos as estrelas..........

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alexandrino Sousa às 22:20

Sonhar Mais Alto

Quarta-feira, 11.02.09

 

(Mais uma tentativa...)

 

Por entre as flores do campo corrias,

e entre sorrisos e lágrimas de alegria,

por vezes parecias voar,

teus braços abertos qual ave a esvoaçar,

davam-te um toque de magia..

 

Voa Amor, entre os lírios e as papoilas,

eleva-me também neste céu de fantasia,

deixa-me sentir a maresia

do mar calmo dos sentidos,

dos dias soltos e perdidos...

 

Lá longe no monte mais alto,

onde não chego, não alcanço,

envia-me sinais de ti,

e bem juntinho ao sol, para mim sorri...

 

Estes são momentos de sonho,

como é um sonho teu voar,

ou nos verdes prados te encontrar...

Meu Amor, um dia vais nascer

quando entre as flores eu adormecer...

 

Lá longe no monte mais alto,

onde não chego, não alcanço,

envia-me sinais de ti,

e bem juntinho ao sol, para mim sorri...

 

Lá longe no monte mais alto,

onde não chego, não alcanço,

envia-me sinais de ti,

e bem juntinho ao sol, para mim sorri...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alexandrino Sousa às 21:23

LEMBRAS-TE ??

Segunda-feira, 10.11.08

 

Ainda te lembras do que foi ontem??

E do antes de ontem??

Do que foi há alguns anos,

tantas juras para as estrelas,

que de tantas, se quedaram,

no chão duro e frio... se quebraram...

 

Ainda te lembras do azul do céu,

e do ondular do mar a nossos pés?

das marcas deixadas na areia,

do sentir que eram momentos finais,

únicos, que não haveriam iguais,

qual álbum sem fotos, sem mais...

 

E as marcas da areia, gravaram no coração

sulcos graves, fundos,

que de tão grandes, viraram imundos

de dor, de chagas, de sangue,

de eterna saudade,

de um amor que morreu sufocado

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Alexandrino Sousa às 22:11